Músicas, Seriedades, Burridades e Coisas Ogonorantes.

Um blog para quem não tem nada para fazer. Para pessoas que vieram do nada e hoje não tem porra nenhuma.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Ilações sobre a morte.

Sábado que passou conversávamos eu e amigos no Café da Sol sobre as mortes recentes do Chico, Millôr e outros, e relembramos os ditos antes da hora final. Millôr encerrou o seu ciclo com a frase “Não contem mais comigo”. Chico Anysio disse que “eu não tenho medo da morte, tenho pena da morte”. Já em casa fiquei a refletir no assunto, pensando qual seria minha frase de efeito que ficaria perpetuada depois de minha morte. Não saiu nada que me agradasse, e vou deixar por isso mesmo, decidi que não vou ter frase. O dia que eu morrer vou desdenhar da vida. Pensei bastante e cheguei a conclusão que é caro pra caceta viver. Só para o seu Oscar do Líder já deixei um caralhão de dinheiro, isso sem falar em moradia, roupa lavada e a mulherada que tripudiou do meu dinheiro. Assim, julgo que a morte seja mais baratinha, onde só se gasta uma vez com: caixão, o palmo de terra e a turma que fez o buraco. Isso se não tiver feito nenhuma cagada em vida, pois se não te desenterram, te tiram teu DNA sem licença, descobrem filhos pra porra, e ainda te mandam a conta para a outra reencarnação. Sai pra lá Allan Kardec!

4 comentários:

  1. O pior é vivermos ao lado dos espíritos de porco, porcos de espírito. Que não é o caso do Eterno Porco, nosso eterno amigo. A nossa frase será: "Agora estamos bem fodidos mas um dia já fodemos bem"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, mas nada disso apaga que o Seu Oscar também fudeu com a dinheiro da gente.

      Excluir
  2. ACHO A MAIS CORRETA: "QUE SE FODAM OS INCUMBIDOS DE ME CARREGAR" OU "VÃO SE FODER OS QUE FOREM ME CARREGAR"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já tem muita gente fudida nessa história.

      Excluir