Músicas, Seriedades, Burridades e Coisas Ogonorantes.

Um blog para quem não tem nada para fazer. Para pessoas que vieram do nada e hoje não tem porra nenhuma.

domingo, 26 de janeiro de 2014

Faça seu controle.

A lion corporation acaba de lançar a tabela de controle dos jogos que o camisa 33 Eduardo Ramos não vence. Em 5 jogos já são dois, contra o São Francisco e contra o meu Papão, se for nesse ritmo em menos de 3 meses ele bate o próprio recorde.

sábado, 25 de janeiro de 2014

Quarenta anos atrás.

Essa cena se passou aqui na Benjamin, onde moro hoje, e na época moravam meus avós, padrinhos e primos. Um verdadeiro faroeste. Os garotos que moravam na área estavam todos vestidos de cowboys bandidos, armados até os dentes esperando a caravana passar para assaltar os forasteiros que chegavam para morar na Benjamin. Eram famílias inteiras, com filhas belas e crianças pequenas, vinham de longe, esperançosas em fixar residência no centro da cidade. Ao longe, lá pelas bandas da Governador José Malcher se avistava vários caravaneiros descendo pela Benjamin desavisados, na direção da emboscada dos bandidos. E por incrível que pareça algo diferente aconteceu naquele dia. Quando bandidos e caravaneiros se encontraram no meio da Benjamin, em vez do confronto de sempre, todos se uniram e cantaram parabéns para o mocinho-herói, que sempre aparecia na hora H, e salvava as famílias daquela carnificina. Era o Patrulheiro Toddy, com sua roupa impecável, seu chapéu imponente e seus revólveres de prata certeiros. A tradição se manteve, e todo dia 25 de janeiro, a turma da Banjamin costuma acordar cedo e dizer: Parabéns Patrulheiro Toddy. 

É 冠军。

Acabou agora pouco a disputa feminina do Grad Slam da Austrália e a feiosa, porém gostosíssima chinesa NA LI é a nova campeã do Austrália Open. Para quem não sabe a palavra chinesa NA LI, em português, é nada mais, nada menos que SeveriNA LIduina.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Reflexão cultural.

Neste ano a Feira do Livro irá homenagear o Qatar. De cara qualquer paraense perguntaria, mas porque o Qatar, o que esse País tem a ver com a cultura paraense. Depois de muito refletir, alcancei a genialidade da pessoa que escolheu o Qatar para homenagear, simples, muito simples, basta lembrar que o ato de Qatar piolho faz parte de nossa cultura.

Se a moda pega.

Dia desses um centro empresarial de barão na Barra, Rio de Janeiro, barrou alguns despossuídos que iriam fazer seleção para emprego. O síndico do centro alegou que os desempregados estavam malcheirosos. Se essa modo pega por aqui, os remistas não entrarão mais em lugar nenhum.

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Puxa perdeu.

No Grand Slam de Tênis da Austrália que está acontecendo nesta semana, a minha favorita para ganhar o troféu feminino, era a meiga e bela polonesa Agnieszka Radwańska, que infelizmente perdeu ontem para uma musculosa da Eslováquia Dominika Cibulkova, e não mais disputará a final do torneio. Para quem não sabe, em português, Dominika Cibulkova significa Domingas Silva, e a minha predileta Agnieszka Radwańska é nada mais que Ana Raimunda.

Certeza.

Ontem passei por uma rua e vi um casal, ele com uma sacola na mão, abraçando e chorando nos ombros da amada. Vi quando eles se beijaram, deram adeus um para o outro e se despediram como se fosse para sempre. A mulher ficou estática com lágrimas rolando pela face, vendo o marido sumir de vista. Embora curioso, respeitei a dor da mulher, não havia necessidade de perguntar nada. Tinha a certeza de que aquele homem ficaria muito tempo longe de casa, que iria para um presídio cumprir uma longa pena. Por uma razão muito simples, a sacola que carregava tinha um escudo do flamengo.

Pedrinhas é a cara do Brasil!

Sob o título “Pedrinhas, um alerta à Nação“, o artigo a seguir é de autoria de Antonio Sbano, Presidente da Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (Anamages).
A magistratura estadual brasileira repudia os atos de barbárie ocorridos no Presídio de Pedrinhas, Maranhão, bem como todos os demais noticiados no dia a dia.
É dever do Estado garantir a vida e a integridade física daqueles que, por qualquer motivo, estão privados de sua liberdade. A omissão resulta em prejuízo à toda a sociedade que é, ao final, quem arca com as indenizações devidas ás famílias.
Vivemos uma grave crise de segurança pública em todos seus segmentos: na prevenção, repressão e punição.
Todo o sistema se vê esmagado por uma legislação penal e processual penal ultrapassada, remendada sempre para dar mais e mais asas à marginalidade, sem se ver vontade política em dar respostas aos reclamos da sociedade.
Nossa polícia preventiva carece de melhor preparo e de recursos humanos, matérias e tecnológico para enfrentar o crescimento da marginalidade; o mesmo se diga da polícia judiciária, em especial as estaduais, transformadas em guardiões de presos e desvirtuadas de sua função investigatória.
No campo da execução das penas, o quadro é mais crítico, dando inveja às velhas masmorras medievais: superlotação, locais infectos e sem condições de abrigar seres humanos.
A legislação é utópica, concede progressão de regime sem ter quem fiscalize as saídas para trabalho ou visitas, resultando em fugas e cometimentos de crimes durante a saída extramuros, vale dizer, delitos que nunca são esclarecidos (enfim, o autor está preso!). Da mesma forma, as penas alternativas restam desacreditadas pela falta de fiscalização.
Alguns querem atribuir à lentidão do Judiciário a culpa pela impunidade: juízes não legislam, apenas aplicam a norma editada pelo Congresso e se o Judiciário fosse inerte não teríamos mais de 500 mil presos (ocupando 300 mil vagas) e mais de uma centena de milhares mandados de prisão para serem cumpridos – e não são por falta de eficiência policial e falta de lugar para custódia.
Enquanto o estado burocrático caminha a passos lentos, o crime cresce com celeridade e hoje, pode-se afirmar, demonstrando força e organização capaz de não se intimidar nem mesmo com a presença da Força Nacional dentro do presídio.
O cidadão de bem se tornou prisioneiro em sua própria casa e no trabalho, grades até em apartamentos, lojas substituindo vitrines por paredes, deixando uma única porta de grade como acesso, a sonhada segurança dos Shoppings sequer resiste ao novel “rolezinho” de jovens criados sem limites e sem sentimento de cidadania e educação.
Enquanto legisladores e doutrinadores discutem mirabolantes teses sociológicas, a sociedade padece esquecida e violentada.
Se presos fogem, evidente que existe deficiência de segurança no sistema de custódia.
Se presos recebem armas, celulares e outros objetos ou, ainda, se emitem ordens para o mundo externo é certo que tais ações contam com auxílio externo: de visitas não revistadas com o devido rigor, de alguns religiosos, advogados e agentes públicos, que se afastando de suas nobres missões se transmutam em bandidos para servir de pombo correio dos que estão encarcerados.
Pedrinhas é apenas a ponta de um enorme iceberg que aflorou diante do gigantismo da carnificina ali instalada, mas que reflete a triste e deplorável situação dos presídios brasileiros.
Além da punição, a privação de liberdade deve ser vista, acima de tudo, como meio de reeducação do apenado, de sua ressocialização e isto somente poderá acontecer se tivermos prisões que respeitem a dignidade da pessoa humana, ofertando-se ao infrator, menor ou maior, estudo, trabalho, educação social e atendimento psicológico e, evidente, regime diferenciado para os que demonstrem não aceitar as regras e a disciplina indispensáveis.
O Conselho Nacional de Justiça, até se afastando de sua missão principal, tem se esforçado meritoriamente em detectar as deficiências e, com relatórios de visitas periódicas dos juízes às cadeias, enviado expediente às autoridades competentes sem resultado positivo.
A administração e o gerenciamento das prisões competem ao Poder Executivo que se demonstra omisso e sequer aplica o total das verbas orçamentárias para a melhoria do sistema prisional – prevenir ações criminosas e ressocializar  o condenado se constitui em investimento em prol de uma sociedade mais justa.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Melhor definição.

O Elio Gaspari em sua coluna de hoje na Folha de São Paulo (22/01) definiu de forma magistral o que vem a ser o rolezinho:”O neto saiu para um rolezinho. O pai lembrou-se: "Eu fui ao comício das Diretas". O avô acrescentou: "E eu, à Passeata dos Cem Mil". Se há algo de novo na praça é a degradação do que se considera como manifestação. O rolezinho é a manifestação em torno do nada. Contrapôs-se a ela uma visão policial da ordem pública.”

Rolezinho de antigamente.

No meu tempo rolezinho era quando se pedia pra puta, dá um rolezinho e ela virava de costa e dava o cú. A Dilma, por exemplo, costuma fazer rolezinho com o povo brasileiro.

Pedido de gordo.

Quando for ao Shopping pediria aos dirigentes que não confundissem rolezinho com rolicinho?

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Mãe é mãe.

O filho chega pra mãe e pergunta: - Mãe eu sou bonito?
- Filho, pergunte pra sua namorada!
- Mas eu não tenho namorada.
- Pronto, você acaba de responder sua própria pergunta.

Nem tu Snowden.

O meu amigo Cesar Belo tem um blog de fotografias, e somente o Neto meu primo tem acesso, pois são mais de 1.700 senhas para se chegar à primeira página. A preocupação do fotografo são os aproveitadores que copiam descaradamente fotos para postarem nos blogs de última categoria, como é o caso do Condureba. O meu consolo em não ter acesso ao blog do Belo é que nem o Obama com todo o aparato de espionagem conseguiu ver as fotos.

Yes companheiro.

Nunca mais tive oportunidade de conversar com meu amigo Bob Menezes, mas sempre ouço histórias e estórias suas. Uma das últimas que me contaram diz respeito a sua ida a Cuba e ter voltado de lá encantado, se declarando cubano de carteirinha. Bom, sempre escuto essa história de gente que foi a Cuba e acha uma maravilha, volta se declarando cubano, louco para promover uma revolução, porém não fincariam residência por lá, dizem que não tem açaí, farinha e pupunha. Pupunha eu não sei, mas caroço de pupunha até tem, basta ver o caroço de pupunha que os cubanos roem todos os dias. Para finalizar gostaria de lembrar ao meu querido amigo que jamais vi um cubano comunista com o nome de Bob. Até onde sei todo e qualquer Bob é americano, daqueles que tem urticária quando ouve falar de Fidel e sua terra.

Solução # 1.

Toda vez que tem um clássico no futebol brasileiro é um porradau entre torcidas organizadas. O último confronto foi entre os torcedores do Vasco e do Atlético Paranaense, onde vários foram presos. Prender não resolve, pois nosso sistema penitenciário é uma fábrica de produzir bandidos, que saem de lá instruídos pelos mais espertos e revoltados com o tratamento que recebem do poder público. Para solucionar esse problema sugiro aproveitar esses estádios que estão construindo para a copa, em cidades que não tem tradição em futebol como: Manaus, Cuiabá, Natal e Baendão. Cria-se o campeonato brasileiro de torcidas organizadas. No dia do duelo, põem os dois rivais dentro dos estádios e mete a tranca com enormes cadeados nos portões. Deixa o pau torar, quem matar mais ganha. Com dois campeonatos desses se extirpa esse tipo de torcedor do cenário nacional.

domingo, 19 de janeiro de 2014

Coisa bonita de ver # 20.

Vantagem brasileira.

Ontem na Sol resolvemos colocar película protetora em nossos celulares, aí chega o Koury e pede também que seja feito no dele. O vendedor pergunta qual o modelo do celular dele, ele tira do bolso e diz é um Iphone 4. O vendedor só de olhar rebate, não é não, é um Iphone 5. Diz o Koury é o Iphone 4, fui eu que comprei. Rebate novamente o vendedor, Dr. com toda certeza é um Iphone 5. O Paulo Maurício que entende de tudo, olhou e sentenciou, é um Iphone 5. O Koury mandou pelicular e ficou divagando em voz alta:
- Taí não sabia que eu tinha um Iphone 5, pra mim julguei que tinha comprado um Iphone 4.
Para resolver de uma vez por toda a dúvida do Koury resolvemos meter o bedelho para explicar o ocorrido:
- Koury acho que aconteceu o seguinte na loja onde compraste esse celular: Perguntaste tem Iphone 4, o vendedor deve ter respondido, paga 4 e leva o cinco. Aí desembolsaste uma grana preta e compraste o 5, achando que era o 4.

Vantagem portuguesa.

Vocês devem ter conhecido o bar do Carlos Português, o El Bigodon, o Mustache que ficava na Rua dos Tamoios esquina da Apinagés. Na farra estavam nosso repórter secreto Pedro Amorim, o Gley e outros amigos da Sol. Para tira gosto constava do cardápio um espetinho de alcatra. Resolveram pedir algumas porções. Serviram os tais espetinhos de alcatra e antes que alguém desse uma bocada, o garçom fala baixinho para o Pedro Amorim:
- Não espalhem, mas esses espetinhos não são de alcatra...
- Ah não! E de que são?
- São de filé.
E era filé mesmo. Vai ver que em razão dessa estratégia do Carlos Português o Mustache faliu.

Coisa de estagiário.

Tá explicado!

A Roseana Sarney não perdeu a pose, deu uma bela entrevista explicando tim-tim-tim a violência no Maranhão. Na pérgula da piscina do Palácio Governamental, saboreando lagostas do mediterrâneo e patinhas de caranguejo real do Alaska, disse que essa violência é resultado do crescimento da população e do aumento da riqueza. O repórter com água na boca, comendo cabeça de gó com água, ponderou: Governadora em todos os estados brasileiros a população cresceu, porém dizer que o Maranhão ficou rico, dê uma olhada nos indicadores sociais do seu estado. Eu não disse que o Maranhão ficou rico, eu disse que eu, papai, Sarneyzinho e nossos parentes ficaram mais ricos, aí já viu, os invejosos começam a brigar entre si. Agora deixa eu comer minha lagosta, e vai ver quantos já morreram em Pedrinhas.

Está chegando!

Meu Paysandu contratou o Rubén Peluqueiro, pode ser que com a técnica do famoso cabeleireiro consigamos transformar nossos feiosos jogadores em jogadores craques e bonitões.

Quem nasceu primeiro...

O ovo ou a panqueca? Para esse mestre cuca deve ter sido a panqueca.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Saiu do estado crítico.

Enquanto Schumacher está ainda em coma, o torcedor símbalo do lião, saiu do estado de transe e passa bem. Nosso repórter secreto Pedro Amorim acaba de mandar via telex um rascunho da reportagem que vai sair somente no mês que vem.

Baixe correndo.

Desenvolvido pelo nosso expert em informática Pedro Amorim, o Condureba Eipô Corporation está disponibilizando o primeiro aplicativo orientativo para torcedores desorientados pela ação do tempo, o Farinha com pouca água gostou tanto que incorporation a geringonça ao mix da butique do lião. Cuidado: Para baixar, não use computadores, chame um pai de santo.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Até que enfim!

Ufa, não se pode mais nem descansar direito. Vocês sabem qual o bem mais precioso que Deus criou para a humanidade? Quem disse trepar além de ter pecado, errou. Trepar é a segunda coisa. O primeiro foi sem dúvida a preguiça, não existe nada melhor que preguiça. O próprio criador fez o mundo em 6 dias e até hoje está de férias, e vocês torcendo para que o Condureba volte a escrever no blog, que deixe a preguiça de lado e faça alguma coisa, é pedir muito. E como no meio desses pedidos, há apelos de mulheres gostosas, vou quebrar o protocolo e retomar o blog, mas não diariamente, serão 3 atualizações na semana, algo que não me deixe de calo na mão e muito cansado. Agora só daqui a três dias. Cadê a minha rede, quem desarmou essa porra...vai ter porrada, lá vou me cansar! 

Essa tá foda!

Paulo Andrade, nosso Chico Xavier do Norte, me ajuda rapaz. Perguntaram pro Condureba se a reencarnação do Nelson Ned é considerada uma reencarnação parcial ou integral? Essa tá foda!

“Quem com bisturi fere, com bisturi será ferido.”

Dizem as más línguas que o Dr. Chiapetta, aquele que morreu recentemente e foi preso várias vezes por safar barões que engravidavam mulheres não titulares, vai ver o que é bom pra tosse. Quando chegar a vez dele reencarnar, um médico vingador fará o aborto na mulher que seria a mãe dele. Égua da maldade! 

Pagando o pato.

Essa aconteceu em pleno centro urbano de Belém entre duas domésticas que trabalham juntas, ambas oriundas desse interiorzão do Pará.
- Mana hoje eu acordei com umas dores horríveis nas pernas, está toda encaroçada.
- Isso é íngua, e tua perna tá inchada. Tenho um santo remédio pra isso! Pede pra tua filha menor que é virgem rezar perto da tua perna que vais melhorar.
E depois do trabalho foram para suas respectivas residências. No outro dia as duas se encontram no trabalho.
- E aí mana, passou as dores na perna?
- Mas que nada, só fez piorar aumentou o número de caroços, não pude nem dormir essa noite, mas dei uma surra na menor, onde já se viu com 11 anos não ser mais virgem.

Zizi Possi no som do blog.

Zizi Possi está presente na retomada do Blog, interpretando Corsário de João Bosco e Aldir Blanc, essa canção está presente no disco mais bonito da cantora, Sobre Todas as Coisas, gravado em 1980 pelo selo Eldorado. O disco está sendo relançado em 2014, por ser considerado uma joia rara na discografia brasileira.

Dica de Filme # 1

My people assistam correndo: A Grande Beleza de Paolo Sorrentino – 2013.

Fuga nos cinquenta.

Meu amigo engenheiro, cantor, compositor, escritor, poeta, decorador e comedor de pimenta resolveu dar um balão nos amigos. Fugiu para Salinas para não pagar o aniversário de 50 anos da esposa, que merecia uma belíssima festa, dessas de gastar pelo menos uns 25 mil. Teve gente que passou fome esperando um grande comes e bebes.

Só Dilma explica.

video
Se é um problema de porta, então um bom carpinteiro desestabiliza a educação?

Mandou tá mandado.

A Justiça mandou o Maranhão construir presídios novinhos em até dois meses. Considerando a agilidade da família Sarney em gastar dinheiro, cada preso vai ter um presídio próprio, vão lançar o “Meu Presídio, Minha Vida”.

Time do buchão.

O flamengo acaba de contratar o feijão, em breve deve anunciar a vinda do jabá, do chouriço, do toucinho e do farinha. Manda o pagode aí gente!

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Aproveitando a carona!

Com esse trânsito infernal a solução foi pegar uma carona nesses adesivos que crente prega nos vidros dos carros.
Aguardem, a partir do dia 15 ele vai voltar! Esperem sentado quem em pé da cãimbra.

Três perguntinhas bestas sô!

Vou fazer primeiro a primeira, segundo a segunda e terceiro a terceira , tá bom assim? Então lá vai a primeira ogonorante.
1) Hemorroidas é considerada uma doença letal em gays?
   
2) Onde o Leonel Messi foi com esse terno, tinha puta?

3) Para cremar o Nelson Ned foi preciso 1 ou 1/2 saca de carvão?