Músicas, Seriedades, Burridades e Coisas Ogonorantes.

Um blog para quem não tem nada para fazer. Para pessoas que vieram do nada e hoje não tem porra nenhuma.

domingo, 30 de setembro de 2012

Notícias sobre o concurso de Miss da Sol.

A miss de nossa mesa recusou-se irrevogavelmente a participar do certame. Alega que a concorrente pertencente à Confraria do Chapéu do Panamá, tem ao seu favor um cirurgião plástico, o Paulo Maurício, um exímio Photoshopista, o irmão do Max Reis e um Expert em beleza, o Jean De’Cúproá. Isso sem contar com a gritaria infernal da torcida comandada pelo Sérgio Barra (mentor do programa Barra Pesada). De fato, não havíamos pensado nisso, assim vamos pedir a Coordenação do Concurso que modifique o estatuto e mude o concurso para a Camisa Mais Bonita dentre as usadas pelas respectivas confrarias. De antemão, inscreveremos uma camisa florida do Delduque. Quem já viu garante que tanto serve para terrestres, extraterrestres, animais racionais ou irracionais, vertebrados e invertebrados, machos, fêmeas, machas, fêmeos e arquitetos, de tão bonita. Acredito que teremos mais chances de vencer, se eles optarem pelas camisas de pai de santo do Edgar Augusto. De todo modo o concurso anterior não será de todo esquecido, pois o Condureba, para registrar historicamente o certame, contratou o grande compositor Veloso Dias para fazer a canção Ex-Miss Love.

7 comentários:

  1. O blogueiro deveria incluir nessa leva um concurso que elegesse a Camisa Polo Mais "Aviadada", da Sol. E, logo depois, elegeríamos a Bermuda Mais Rosa-pink. A mesa 13 tem um concorrente forte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como não tenho essas frescuras vou propor essa ideia, com uma restrição. Arquiteto está proibido de se inscrever. Mas esse novo concurso, não elimina o da Camisa Florida. No ano que vem, teremos o de bolsa, e para 2014, ano da Copa, o do cú mais ardido.

      Excluir
  2. Ô Renato, lá vem a sacanagem com os arquitetos. Quem anda mais afrescalhado na SOL é, de longe, o dono da mesa 13. E quê sapatilhas sô! Todo cobinadinho com a BLUSA, amarelinho ou punk (cor de rosa mesmo) Em segundo lugar, por quê a irreverência com nosso finado Veloso? Não consegues esquecer do rival, né? Toma juízo pô! Paulo Andrade

    ResponderExcluir
  3. Paulo Andrade o Veloso continua vivinho da silva, quem morreu foram os arquitetos arcaicos que não usam cor de rosa, amarelinho e outras cores de macho com personalidade.Quanto aos arquitetos tu saaaabbbbbbeeeees.

    ResponderExcluir
  4. Por causa desse tipo de "bullyng" é que a comunidade arquitetônica sartou fora do CREA, arrancando do poder público um conselho profissional só para ela (sem faniquitos, por favor, o pronome no feminino é mera questão de concordância de gênero).
    Portanto já está na praça o novíssimo Conselho Federal de Arquitetura e Urbanismo, cuja sigla originalmente seria CFAU, que além de foneticamente marcante(CêFAU soa muito bem), agregaria subliminarmente uma expressiva e conveniente denotação de força.
    Porém nos estados a coisa pegou, mantido o mesmo padrão de formatação do orgão central, com a sigla agregando o "F" de Federal, a exemplo do CONFEA/CREA, CAF/CRA, CFF/CRF, etc. nos estados, ao agregar o "R" de Regional, a sigla seria "CRAU", já pensou ?
    Daí que ficou só CAU mesmo, o que não altera em nada a pecha de que todo mamancebo que passa no vestibular de arquitetura já é visto pela comunidade como meio viado, ou seja já deu pelo menos meio cu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso vai dar matéria para o blog de sábado.

      Excluir
  5. Éééééégua meu, essa foi "W x 0", direto de direita fulminante, bem no queixo da insignificante, quixotesca e desacreditada minoria que teima em proclamar a predominância máscula na comunidade dos sensíveis e delicados senhores ordenadores do espaço físico.
    Corre a boca pequena inclusive que, desde os tempos de JK, alguns dos mais bem sucedidos "medalhões" da arquitetura brasileira vêm gastando uma "baba" corrompendo editores, dicionaristas e até mesmo renomados bibliógrafos para enrustir do conhecimento público o coletivo daquele esbelto e irrequieto mamiferozinho que passa a vida pulando moitas.

    ResponderExcluir