Músicas, Seriedades, Burridades e Coisas Ogonorantes.

Um blog para quem não tem nada para fazer. Para pessoas que vieram do nada e hoje não tem porra nenhuma.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Carta de uma professora para um petista.

Meu amigo Mario Antônio Tavares enviou essa carta de uma professora para um amigo petista, que publico pois nela contém alguns pontos que venho a algum tempo chamando atenção daqueles 85% que aprovaram o engodo do governo Lula.
"Meu Amigo Petista"
Tenho um amigo petista (pessoa incrível e honestíssima), que escreveu sobre o relatório da OIT- Organização Internacional do Trabalho, mostrando que a pobreza no Brasil caiu 36% em 6 anos, e dizendo que deve ter gente mordendo os cotovelos de tanta raiva. Não resisti e respondo publicamente. 'Rir com dente é fácil'. Quero ver agora que o preço das commodities caiu, que o modelo de exploração de petróleo criado pela presidenta prova-se inviável, que a Petrobras não consegue mais segurar a inflação artificialmente baixa, que o pibinho petista não vai sequer chegar a 2%, que o Brasil começa a ser encarado como um país onde é difícil fazer negócio por tanta intervenção e achaques às empresas, que o prazo razoável de fazer as importantes reformas (previdenciária, tributária, fiscal, política...) já venceu, que não houve um mísero progresso nas variáveis que impactam o aumento da produtividade e da competitividade (infraestrutura, educação, ciência e tecnologia), que todos os esforços foram direcionados à anabolização dos números no curto prazo em detrimento da poupança e do investimento no longo, que os sete (eu disse SETE) pacotes lançados nos últimos meses para tentar ressuscitar o paciente moribundo mostraram-se tão patéticos quanto as pessoas que os maquinaram, que as famílias estão endividadas até o talo de tanto estímulo ao consumo, que a arrecadação já dá demonstração de queda (mesmo com o aumento das alíquotas, o que representa perda real em base tributável — ou atividade econômica). Eu poderia continuar por mais uma semana elencando a sequência de burradas dos governos petistas. E olha que eu nem entrei no mérito moral — aí, é "capivara" mesmo, ficha policial. Com economia aquecida e uma carga tributária boçal (em ambos os sentidos: quantidade e qualidade), é fácil ter muito dinheiro para gastar. Distribuir aos pobres parece coisa de gente de bom coração. Renda na mão de pobre vira consumo e consumo conta para o PIB. E, na mão de petista, vira voto na certa. Mas, agora que o dinheiro vai começar a rarear, quero ver onde vai estar o coração dessa gente. Ou vão cravar mais fundo os dentes no setor produtivo da sociedade ou vão ter que escolher o que deixa de receber recursos. Tenho certeza de que o caixa 2 das campanhas eleitorais deles está garantido — até porque este parece ser (por mais surreal que possa parecer) o ÁLIBI dos 36 réus do mensalão. O fato é que, 10 anos depois, o pobre brasileiro pode ter ficado momentaneamente menos pobre na carteira, mas não se tornou um milímetro mais capaz de enfrentar os desafios do mundo moderno em que o país compete. Basta ver que os analfabetos funcionais das faculdades de gesso do Luladdad chegam a 38% (é inacreditável, mas é verdade). Acabada a farra da gastança, voltaremos para a mesma estaca em que estávamos antes. Um pouco piores, na verdade, graças aos retrocessos que representam os constantes ataques às instituições da sociedade (a Justiça, a liberdade de imprensa, a independência dos poderes, o que restava de honradez no Congresso, a política externa que deixou de servir à nação para se dobrar a um projeto particular de poder...) e às bases da economia de mercado tão sólidas que os petistas herdaram de seus antecessores mais capazes (a Lei de Responsabilidade Fiscal, o Bolsa Escola — este, sim, carregava uma contrapartida que produzia um efeito positivo no longo prazo em vez de boçalizar a população com esmola–, a autonomia do Banco Central, a confiabilidade dos dados oficiais, o modelo de privatização, o ordenamento jurídico que atraiu o investidor estrangeiro, a estabilidade econômica e de regras...). Eu não mordo os cotovelos porque as pessoas estão menos pobres. Mordo de ver que o PT transformou em mais um voo de galinha a maior oportunidade que o Brasil jamais teve de entrar definitivamente para a elite global. Mordo de ver que gente inteligente como você não consegue perceber a destruição do nosso futuro que está sendo promovida dia após dia por gente que só quer se locupletar e perpetuar seu poder sobre a máquina estatal — cada dia maior e mais nefasta para a economia e, por extensão, à sociedade. Mordo de ver que estamos abandonando as fontes que trouxeram riqueza para este país para nos alinharmos cada dia mais aos membros do Foro de São Paulo — do qual fazem parte o mais abominável ditador do século na América do Sul e o grupo narco-guerrilheiro que ele apóia no país vizinho. Mordo de ver que gente do bem ainda se alinha com os maiores bandidos que já ocuparam o poder central deste país. Mordo de pena. Mordo de tristeza. Mordo de desesperança.
Elizabeth Rondelli, doutora em Ciências Sociais, professora aposentada das Universidades Federais do Rio de Janeiro e Juiz de Fora.

6 comentários:

  1. e nos outros 500 anos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lá vem os petista colocarem a culpa no passado. O Lula teve a oportunidade impar de fazer uma assepsia política no País, mas preferiu o caminho escuso para perenizar seu projeto de poder.

      Excluir
  2. e antes dele não fizerem, qual o motivo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jones, todos eles são iguais com uma pequena diferença. O Lula chegou ao poder pois taxava essa turma de 300 picaretas, e quando se achava que iria defenestrar todos eles, do alto de seus 85% de aprovação, fez o contrário, rasgou justamente aquilo que vários de seus eleitores acreditavam, como eu.

      Excluir
  3. Por favor, por favor!!! Todos os petistas têm todas as razões do mundo. Tinham. Ai apareceu São Joaquim Barbosa, cotista do Supremo, que mandou todos a laia petista à puta que os pariu. Ninguém deve discutir com um petista sobre qualquer assunto retangular. Eles tem a quadratura do círculo como hipótese perfeita para resolver teoremas insolucionáveis. Imaginar que reelegeram um semi-analfabeto para a presidência do Brasil e agora querem colocar um letrado defensor do analfabetismo para governar SP. São assim. A culpa é, na verdade, de Dom Pedro Álvares de Gouvêia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem me fale do Gouveia, aquele filho da puta foi o culpado de tudo, inclusive acredito que tenha sido ele o mandante da morte de Max da Avenida Brasil. Gouveia vai tomar injeção na veia!

      Excluir